sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Computador impresso em papel está próximo da realidade

Impressão de circuitos eletrônicos
Sensor eletrônico de chuva construído com uma impressora jato de tinta comum.
Sensor eletrônico de chuva construído com uma impressora jato de tinta comum.
Pesquisadores japoneses inventaram uma maneira de imprimir em papel as finas linhas condutoras que fazem as conexões nas placas de circuitos eletrônicos.
E não é necessário nenhum equipamento de alta tecnologia: basta uma impressora jato de tinta que se compra no comércio por algo em torno de R$150.
O segredo está em uma tinta contendo nanopartículas metálicas, que também já está disponível comercialmente no Japão.
Yoshihiro Kawahara, da Universidade de Tóquio, afirma que este é um passo importante para incentivar o crescente movimento das máquinas livres.
As impressoras 3D já permitem fabricar virtualmente qualquer coisa.
Com a nova tecnologia, será possível fabricar “qualquer coisa” dotada de circuitos eletrônicos.
A equipe já está trabalhando na impressão de circuitos impressos mais complexos, incluindo microprocessadores e chips de memória.
A equipe já está trabalhando na impressão de circuitos impressos mais complexos, incluindo microprocessadores e chips de memória.
Tinta condutora
O fato de a técnica funcionar sobre papel permitirá o teste rápido e barato dos circuitos eletrônicos – os pesquisadores demonstraram seu funcionamento usando papel de qualidade fotográfica.
A tinta possui nanopartículas de prata em suspensão, e tem a grande vantagem de não exigir calor para estabelecer sua condutividade depois da impressão.
Como estavam trabalhando sobre papel, os pesquisadores aproveitaram para demonstrar que uma cola condutora é uma substituta perfeita para as soldas dos circuitos eletrônicos tradicionais na hora de conectar os transistores, resistores e capacitores que formarão os circuitos eletrônicos.
Para demonstrar tudo na prática, Kawahara e sua equipe fabricaram dois sensores, um capaz de detectar chuva e outro capaz de medir a umidade do solo, ambos transmitindo as leituras por meio de uma antena Wi-Fi também impressa.
A equipe está agora trabalhando na impressão de circuitos impressos mais complexos, incluindo microprocessadores e chips de memória.
Segundo Kawahara, a ideia de imprimir computadores completos em papel não é mais um sonho distante.

1 comentários:

  1. Esta ideia é boa apenas para testes, não pode ser permanente.
    É bom para alunos de escola técnica fazer experimentos de eletrônica e eletricidade.

    ResponderExcluir

Curta Facebook

GRÁTIS: Receba Novidades de EnergiaLivre em seu e-mail

Digite seu e-mail:

 

Postagens populares: