domingo, 13 de outubro de 2013

Carro quadriflex: Cearense cria carro movido a álcool, gasolina e energias eólica e solar



Segundo inventor, veículo é o primeiro 'quadriflex' do mundo Criador investiu capital próprio e passou 10 anos pesquisando.


Fernando Ximenes e seu invento,
o 'quadriflex' (Foto: Tuno Vieira/Agência Diário)
O engenheiro cearense Fernando Alves Ximenes criou um carro movido a quatro combustíveis, que, segundo ele, é o primeiro "quadriflex" do mundo. O veículo usa álcool, gasolina, energias eólica e solar. "A ideia é ambiental. É reduzir a emissão de CO² na atmosfera", diz o engenheiro. O automóvel  foi apresentado no encontro Inova 2011, em junho, no Ceará, e na EcoEnergy, feira internacional de tecnologias limpas e renováveis, que ocorreu em São Paulo até sábado (17).
Desenvolvido a partir de um FIat Uno, que já tem motor bicombustível, o chamado carro "quadriflex" ganhou potência e economiza 40% de combustível. Com isso, lança 40% menos de CO² no ar, segundo seu criador. "O carro ganha seis cavalos potência. Passa para 81 cavalos", explica o engenheiro. Para chegar ao carro "quadriflex", ele conta que foram dez anos de pesquisa o que, segundo diz, dificulta a contabilidade dos investimentos."Mas foi tudo com o meu próprio capital", afirma.
Ximenes explica que no motor convencional existem correias e engrenagens que fazem rotação para produzir a energia demandada pelo veículo e, segundo o engenheiro, no "quadriflex" essa energia é produzida pelo ar e pelo sol. Com isso, o automóvel fica mais econômico e emite menos CO² na atmosfera. A energia solar é captada por uma placa fotovoltaica no teto do veículo, que tem geradores eólicos embutidos nas laterais. Os geradores capturam energia quando o carro está em movimento.
Dono da empresa Gram Eollic, o cearense afirma que já foi procurado por uma montadora norte-americana e que, se as conversas avançarem, uma unidade de fabricação deve ser montada no Ceará dentro de três anos. "Será uma holding, com as duas marcas. E eu faço questão que seja no Ceará, para gerar empregos no estado'', aposta.

Carro autossustentável
O engenheiro explica que seu próximo projeto é apresentar em 2012 o carro autossustentável. Segundo Ximenes, o automóvel vai funcionar apenas com energia eólica e fotovoltáica (solar), sem emissão de nenhum poluente gasoso. "O carro 'quadriflex' é ainda emite CO², embora haja redução. Com o novo carro, a pessoa poderá viajar de Fortaleza ao Rio Grande do Sul sem ter de parar em posto de gasolina", acrescenta.

Além disso, ele argumenta que, para atingir o objetivo ambiental, é preciso disseminar o uso do mecanismo em carros populares. "A linha de produção tem de ser em série. Se não eu não ia conseguir o objetivo ambiental. Jamais conseguiria um número que significasse uma redução de CO² na atmosfera", diz. Para isso, argumenta, tem de se unir a alguma empresa que já tenha filiais no mundo inteiro.
Carro foi desenvolvido a partir de modelo nacional, em pesquisa que durou 10 anos  (Foto: Gram Eollic/Divulgação)Carro tem placa de captura de energia solar no teto e foi desenvolvido a partir de modelo nacional, em pesquisa que durou 10 anos (Foto: Gram Eollic/Divulgação)
FONTE: G1

Carro quadriflex com energia eólica e solar


Novo Uno sofreu modificações no teto, que recebeu células fotovoltaicas, e no para-choque com turbinas eólicas





Veículo da Gram-Eollic é um projeto genuinamente cearense, levou cerca de 8 meses para ficar pronto, mas foram necessários três anos de pesquisa até a transformação final




Projeto utiliza duas hélices adaptadas na estrutura do veículo, que capta o vento e o transforma em energia para alimentar a bateria e demais consumíveis

No mercado automobilístico ideias ligadas a projetos com utilização de fontes renováveis de energia estão sempre aparecendo. O cearense Fernando Ximenes, engenheiro mecânico, pesquisador e, por que não, cientista criou um modelo quadriflex de veículo e, aqui vale ressaltar, bem singular. Um sistema de energia solar com células fotovoltaicas foi introduzido sob o teto do Novo Uno (modelo escolhido para o projeto), e, discretamente fixadas na parte interior do para-choque, duas turbinas eólicas. Para completar o time: álcool e gasolina.

O projeto chama a atenção. Com as mudanças, o carro perdeu o alternador e ganhou seis cavalos de potência, muito bem-vindos para um motor 1.0. Em um rápido test drive notamos respostas melhores nas aceleradas e arrancadas. "Com mais torque o motorista terá um motor que responderá melhor sem ter de acelerar em excesso. Mais desempenho e menos emissão de CO2 na atmosfera", pontua.

O objetivo do engenheiro é chegar à versão 100% autossustentável. No carro adapto por Ximenes, a emissão de poluentes reduziu 40% e o consumo melhorou. Agora, o Novo Uno chega aos 15,8 km/litro. A intenção é que, em um futuro não muito distante, a energia solar ou eólica abasteçam o veículo sem a necessidade dos demais combustíveis.

Como funciona
O sistema do carro não levou grandes mudanças visualmente falando. Ao conferir o motor, nota-se uma bateria de 12V com prata e a ausência do alternador. No teto, células fotovoltaicas são protegidas por seis camadas de filme anti-impacto altamente resistentes. No para-choque dianteiro, as hélices foram fixadas onde estariam as lanternas de neblina (farol de milha). "Cada sistema é capaz de recarregar independentemente a bateria. E o sistema eólico tem autonomia individual. Toda a explosão inicial no motor é acionada por um deles", explica Fernando Ximenes. A energia eólica e a solar alimentam a bateria que faz a distribuição direta aos consumíveis (ar condicionado, vidros elétricos, sistema de ignição etc).

Preço e exibição
Ainda em fase experimental, o engenheiro não confirma preço do sistema, mas estima em 20% do valor do carro. "Cada caso demandará um projeto específico e o valor altera", diz. O Novo Uno, da Gram Eollic, empresa de Ximenes, representará o Ceará na Ecoenergy - Feira Internacional de Tecnologias Limpas e Renováveis para Geração de Energia e Eficiência Energética. O evento será realizado entre os dias 15 e 17 no Centro de Exposição Imigrantes, em São Paulo.


Mais informações

Gram-Eollic

Contato: Fernando Ximenes
Tel.: (85) 4018-0808
Site: http://www.grameollic.com.br/



RODRIGO COIMBRA
REPÓRTER
FONTE



Ximenes e o "quadriflex": economia de
 até 40% no consumo de combustível
O cearense conhece a arte de transformar vento em energia – o estado tem o maior parque eólico do Brasil, com 105 megawatts instalados. Sol, ali, também não falta. Na terra de Expedito Parente, inventor do biodiesel, que morreu nesta semana, o povo sabe ainda a importância de pesquisar combustíveis limpos. Não é surpresa que tenha sido criado lá o "primeiro carro quadriflex do mundo", segundo Fernando Ximenes, 46 anos, inventor da tecnologia. O engenheiro apresenta o veículo na EcoEnergy, uma feira de energia verde que acontece até sábado, em São Paulo.

O modelo funciona com etanol, gasolina, energia solar e eólica (gerada pelo vento). Não é um motor híbrido. Na verdade, o motor é comum, impulsionado somente por etanol e gasolina. As fontes "alternativas" servem para dar uma ajuda a ele – algo que, no fim das contas, reduz o consumo de combustível. O painel solar no teto e as hélices de captação de vento livram o motor de produzir energia para alimentar o ar-condicionado, recarregar a bateria e outras funções. "Testei o carro por 13 mil quilômetros e vi que a economia de combustível pode chegar a 40%", explica Ximenes.
As "turbinas" de vento – provavelmente a inovação mais legal do carro – começam a funcionar quando o "quadriflex" atinge 40km/h. São duas hélices, umas de cada lado do para-choque. Isso porque, se uma delas for danificada num acidente, o outra continuaria dando conta de produzir energia. A empresa de Ximenes, chamada Gram-Eollic, trabalha no ramo da energia eólica desde 1989, com foco na montagem de casas auto-suficientes – ou "produtor independente de energia", como diz o empresário.
O logotipo (abaixo) é outro ponto curioso do veículo – cujo protótipo exibido na feira foi montado sobre a carroceria de um Uno, embora a Fiat não faça parte do projeto. O símbolo, colado na frente do carro, é o mesmo usado há anos pela Gram-Eollic. Mas, quando colocado num para-choque, fica muito parecido com o da Mercedes-Benz. Pior: parece que algo pontudo cutucou o símbolo alemão e fez com que ele tombasse de lado. "Eles não viram, ainda... Mas é capaz da Mercedes gostar", acredita Ximenes.
O engenheiro calcula ter gasto mais de R$ 100 mil na pesquisa para desenvolver o carro, feitas ao longo dos últimos dez anos. A patente, Ximenes afirma ter registrado há seis anos. O carro, em si, foi construído nos últimos oito meses.

O inventor explica ainda que, embora seja possível instalar a novidade num carro comum, essa não é a intenção dele. "Queremos que a tecnologia seja absorvida por uma montadora e possibilite uma linha de montagem no Ceará, onde temos apoio do governo estadual", diz o engenheiro, que também é secretário da Câmara Setorial de Energia Eólica do Ceará. Ele afirma ter recebido, há 20 dias, a visita de dois funcionários de uma grande montadora americana interessada no projeto, mas não quer dizer qual é a marca.
Se fosse instalada como opcional num carro pronto, a tecnologia custaria entre R$ 9 mil e R$ 20 mil. O menor consumo compensaria o investimento, segundo Ximenes, após 24 meses.

O carro foi apresentado oficialmente em junho, durante a Inova 2011, uma feira realizada em Fortaleza (CE). O "quadriflex" foi premiado no evento, que havia sido aberto por Aloizio Mercadante, ministro da Ciência e Tecnologia. "Ele viu o carro e adorou", afirma o inventor. 
Ao contrário dos veículos híbridos, o "quadriflex" não é ligado na tomada para recarregar. Mas o modelo, na verdade, é um intermediário, conta o criador. "Nossa ideia era desenvolver o primeiro carro elétrico auto-sustentável, que seria somente solar e elétrico e nunca precisaria ser ligado na tomada", conta ele, enquanto brinca com o painel fotovoltaico instalado em cima do veículo. "É o primeiro 'teto solar' de verdade, né?", diz. "Mas as pesquisas continuam", garante.
Segundo Ximenes, a energia extra também reduz em até 40% as emissões de CO2 do veículo – e aumenta em 6% o torque do motor. "O Ceará é um exemplo de geração de energia limpa", orgulha-se. Ele lembra que, já em 1978, um cearense tentou fazer o primeiro carro movido a água do mundo. A próxima novidade "verde" do estado bem poderia ser o carro abastecido com lixo, inspirado no DeLorean, de "De Volta Para o Futuro" (no vídeo abaixo):
A EcoEnergy acontece até sábado, no Centro de Exposições Imigrantes, em São Paulo. Durante três dias, o evento deve receber 2.800 visitantes. Participam da iniciativa empresas dos setores de energia limpa e renovável, fabricantes de equipamentos, instituições financeiras, escritórios de projetos e engenharia, grupos de pesquisa e desenvolvimento e entidades desses setores.  

0 comentários:

Postar um comentário

Curta Facebook

GRÁTIS: Receba Novidades de EnergiaLivre em seu e-mail

Digite seu e-mail:

 

Postagens populares: